Bolsonaro põe em dúvida número alto de mortos pela covid-19

71

O presidente Jair Bolsonaro pôs em dúvida na manhã desta quarta-feira (3), em frente ao Palácio da Alvorada, as notificações dos casos de morte pelo novo coronavírus. 

Ao comentar a fala de um apoiador que disse que perdeu a mãe por outros problemas de saúde ignorados no atestado de óbito, Bolsonaro afirmou que isso tem sido comum no Brasil. “Isso é o que está acontecendo geral, qualquer negócio é covid.”

O presidente, que nesta quarta-feira foi ao local sem máscara, pediu para as pessoas cobrarem também governadores e prefeitos, e admitiu que ele, sozinho, não pode fazer muita coisa. “Estou ouvindo as reclamações de vocês e podem ter certeza que isso não será deletado.”

Ele também reclamou do que considera a polarização do combate à pandemia. “O PT entrou com uma ação para derrubar a hidroxicloroquina. A questão é política.”

O remédio é defendido pelo governo federal como principal tratamento nos casos de covid-19, principalmente no estágio inicial da doença.

O presidente lembrou que o STF (Supremo Tribunal Federal) determinou que cabe a governadores e prefeitos a decisão de retomar as atividades econômicas, mas ressaltou que isso terá consequências graves ao país.

“O que está acontecendo no Brasil ultimamente? Pobre está ficando miserável e classe média está ficando pobre. Está ficando tudo igual no Brasil. Parece que não tem noção quando vai passar isso daí.”